Twittando

twittess

Não faz muito tempo que eu resolvi usar mais o Twitter, mesmo que dificilmente poste alguma coisa lá, mas vejo as atualizações de algumas pessoas que considero de “conteúdo interessante.” Hoje rolou um causo por uma entrevista da Tessália (aka @twittess) pra revista Playboy, rapidamente seguido por uma “campanha” de um ensaio fotográfico da mesma (ao qual, obviamente, eu aderi =D ) e gente criticando a fama que ela conseguiu alegando que  só foi conseguida por ter vários seguidores e só tem vários seguidores por ter fama (cuma? o.O )……

Vi falando sobre isso aqui, aqui e uma interessante entrevista aqui em que ela toca em um ponto delicado:

Twittess: Mesmo dentro da “nova” web 2.0 já é possível perceber um antes e depois. Alguns blogueiros estão acostumados com o antes. Eles apareceram numa época comparada à uma pós ditadura. Uma época em que criar um blog era quase um ato de rebeldia, uma afronta ao poder centralizado da informação pelos grandes jornais. Foram os precessores, os desbravadores, os iniciantes. Era uma época em que era necessário ser mais rígido, mais ríspido, combater algo. Formaram legiões de fãs, e conseguiram um público fiel. Bem, como todo bom porquinho que chega a poder, que se preze, agora eles ficam assustados com uma nova era, dentro de uma mesma era 2.0. É uma nova revolução. Eles tentam se adaptar ao microblog, mas estranhamente, seus seguidores são apenas os que migraram de seus blogs para o twitter. Eles não tem novos seguidores. Seus números não crescem. Eles não fazem sucesso na nova mídia. Eles são uma adaptação, e como foram os primeiros portais de notícias e jornais, que apenas adaptavam o conteúdo. Eles nasceram no 2.0, mas esta é a 2.1. Aqui, mais do que gorjear, vale mais quem consegue que a mensagem seja uma troca. Refletida, repassada, repercutindo e, como num boomerang, voltando mais forte, com mais opiniões e impressões.

Como disse no início do texto, não tenho tempo suficiente de Twitter pra concordar ou discordar se esse ponto de “seus números não crescem” é verdadeiro (mas sinceramente não acredito). Por outro lado, também não entendi o motivo de tanto ataque em cima dela. Ok, alegam uso de script pra que ela tenha tantos seguidores, o que eu considerei uma falha ela não aceitar falar sobre na entrevista.

Eu penso da seguinte forma, por mais que ela tenha utilizado de scripts pra conseguir o número de seguidores que tem, se ela não escrevesse nada que agradece quem está lendo, rapidinho iriam excluir ela da lista de seguidos.

Pessoalmente, quando fiz minha conta, ela foi a segunda pessoa que segui e a encontrei futucando os seguidos e seguidores dos seguidores da primeira pessoa que segui (confuso? o.O ), então não fui adicionado por script. My point is, assim como qualquer outro seguido de minha parte, só mantenho a twittess por achar interessante os posts dela, eles me fazem rir algumas vezes, so what?

Nesse post, o Cardoso comentou e citou comentários sobre o causo. Eu fiz um comentário indagando qual seria exatamente o problema sobre essa discussão. Todo mundo posta o que está fazendo e sobre o que gosta ou não, fato, então acho contraditório querer criticar a relevância do que ela escreve, porque se for o caso, todo mundo invariavelmente sofre do mesmo problema.

Eu não li a entrevista da Twittess pra Playboy, pelo menos não ainda, e não sei o que ela falou, mas uma coisa eu posso afirmar, não tem como comparar blogs com Twitter, a abrangência de um artigo em um blog é muito maior do que qualquer coisa que se possa escrever com 140 caracteres. Eu leio blogs que mantém a relevância e qualidade nos textos. O fato de o autor ser famoso ou um iniciante não quer dizer nada. Essa fama da twittess pode ser injustificada, mas aí eu pergunto, quem deu importância a essa fama? Ela mesma, os seguidores dela ou a Playboy que tirou do nada que ela era famosa por te 44.000 seguidores?

O assunto fica aberto a interpretação de cada um.

Anúncios
  1. #1 por Mila em 11/06/2009 - 0:14

    Acho Twitter um cu.

    Pronto, resumi tudo em 4 palavras. 😀

  2. #2 por Josias em 11/06/2009 - 3:18

    Hum, fazia tempo que eu não concordava com a Mila em alguma coisa. ^^

  3. #3 por Eric Souza em 11/06/2009 - 3:51

    Kkkkkkkk, bem, falar o que….inicialmente, bem que é uma bosta mesmo, mas quando você começa a encontrar gente falando sobre alguma coisa que te interessa, vai melhorando. E você não precisa necessariamente escrever coisa alguma.

  4. #4 por gabrielarolim em 11/06/2009 - 14:28

    Muito bom seu post, concordo que fazemos cada um o que queremos, o mal do ser humano é querer dar conta do outro!

    Beijinhos

  5. #5 por Rodrigo L.A em 12/06/2009 - 15:51

    Quando criei minha conta no Twitter, começei seguindo o Trent Reznor. Eu nem sabia do que se tratava o Twitter, depois começei a fuçar e ver qual eras dele.
    Hoje sou um Twitteholic… =]

  1. @twittess haxod « Ressoando
  2. Jogaram a @twittess aos Leões e os Apedeutas fazem a festa | Anomia - Lost in Translation 7.0

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: